Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > AÇÕES > REFLEXÕES > Os discursos que correm na sociedade sobre a pessoa com deficiência, em épocas de Zika vírus e microcefalia
Início do conteúdo da página

Os discursos que correm na sociedade sobre a pessoa com deficiência, em épocas de Zika vírus e microcefalia

Criado: Quarta, 13 de Julho de 2016, 21h05 | Acessos: 656

No ano de 2016 foi grande a mobilização em torno do aumento vertiginoso dos casos de Zica, doença causada pelo Zika Vírus, que é transmitido pela picada do mosquito Aedes aegypti. As autoridades no assunto ainda estão pesquisando as consequências da doença quando uma mulher grávida é infectada, mas foi amplamente divulgada uma possível relação entre a contaminação da mãe com o vírus, e o nascimento do bebê com microcefalia (que é quando a criança nasce com o tamanho da cabeça significativamente menor do que o esperado para recém-nascidos, e consequentemente nasce sem o desenvolvimento esperado do cérebro).

Muitos discursos surgiram sobre toda a situação. Uma grande ênfase na necessidade urgente de eliminar o mosquito transmissor, e muitos discursos sobre a doença, as possíveis consequências, a microcefalia. Mas é importante lançar um olhar para os discursos que estavam e estão sendo divulgados sobre  essas crianças com microcefalia.

Esse surto de microcefalia como foi chamado o fenômeno e o aumento alarmante dos casos de Zica, deixaram o país em um estado de desespero. Muitas reportagens foram produzidas sobre o assunto, as pessoas comentavam sobre isso no cotidiano com frequência, e com isso discursos foram sendo formados e divulgados.

O tema não está mais no foco da mídia, mas é necessário lembrar que as crianças com microcefalia estão crescendo, e precisam de cuidados e de ser reconhecidas pela sociedade. 

Pessoas com microcefalia entram no grupo de pessoas denominadas de pessoas com deficiência. Foi possível perceber um completo desespero, até mesmo um horror disseminado no último ano diante do nascimento de crianças com microcefalia. O nascimento de uma criança com deficiência é uma situação muito difícil para a família (qualquer que seja a configuração dessa família). Mas, o nascimento de crianças com deficiência é algo que sempre ocorreu, e que sempre ocorrerá. Nós somos seres humanos, cada um nasce com determinadas características, e algumas crianças nascem com características que fazem com que atualmente a sociedade as denomine como pessoa com deficiência. Essa é uma situação com a qual a sociedade precisa estar preparada para lidar. Qualquer um pode ter filhos com deficiência, qualquer um pode passar a ser uma pessoa com deficiência ao longo da vida, e todas as pessoas vão se relacionar com pessoas com deficiência ao longo da vida. A disseminação desses discursos é um desfavor para toda a luta que o movimento das pessoas com deficiência vem travando, e com significativas conquistas. No caso de uma criança nascer com deficiência, a família deve se reorganizar diante das necessidades dessa criança, o que acontece com o nascimento de qualquer bebê. Apesar de um inicial momento de susto na família, é possível que adaptações sejam feitas, e essas crianças com deficiência cresçam com as potencialidades e dificuldades que cada uma tem.

Os debates públicos deveriam se voltar para discussões que busquem formas de essas crianças e suas famílias terem melhor qualidade de vida, como a possibilidade de essas crianças receberem Benefício de Prestação Continuada (BPC), e como a rede pública de saúde está se organizando para atender esses bebês com a devida qualidade e frequência necessária.

Existe grande variabilidade de grau e tipo nos casos de microcefalia. Cada criança tem determinadas características em seu desenvolvimento físico e cognitivo, não é possível dizer que todas as crianças com microcefalia estão fadadas a uma vida sem desenvolvimento de suas potencialidades. E a microcefalia, apesar de não ter cura, tem tratamento, é possível estimular as crianças, para auxiliar no desenvolvimento físico e cognitivo, por exemplo, com sessões de fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional. Cada pessoa terá suas necessidades específicas, e cabe a toda a sociedade cuidar para que elas tenham acesso ao tratamento necessário. Assim como  no caso de qualquer deficiência ou doença congênita ou desenvolvida ao longo da vida. 

 

ChristianneMiranda

Tradutora e Intérprete de Libras-Língua Portuguesa no Núcleo de Educação Inclusiva (NEI)

registrado em:
Fim do conteúdo da página